10.12.18

Resenha: Um Acordo Pecaminoso - Lisa Kleypas


A HISTÓRIA

Lady Pandora Ravenel sempre soube que era diferente dos demais. Desde criança ela arrastava sua irmã gêmea para as maiores aventuras e confusões. Pandora possui uma maneira única de ver o mundo e um talento em perder coisas e cometer gafes sociais. Mas ela já aceitou que essa é quem ela é. E traçou um destino perfeito para si, como dona de uma famosa fábrica de jogos de tabuleiro. Diferente da irmã gêmea, Pandora não quer se casar e sonha em poder ser uma mulher completamente independente.

“- Você sabe qual é o lema do brasão dos Ravenels?
- Loyalté nous lie.
- Sabe o que significa?
- “Nunca nos enfureça”? - sugeriu Pandora, e foi recompensada com uma gargalhada sonora. - Na verdade, eu sei sim. Significa “A lealdade nos une”.
- Exatamente. Aconteça o que acontecer, nós, Ravenels, permaneceremos leais uns aos outros. Nunca sacrificaremos um dos nossos em benefício do restante.” pág. 58

Mas os planos de Pandora começam a ruir rapidamente. Ao ajudar uma amiga em um baile a recuperar um brinco perdido, Pandora acaba presa em uma situação bastante constrangedora. Ela é salva por um cavalheiro misterioso e provocador, além de muito bonito. Contudo, os dois são flagrados de forma mais próxima que o decoro permite e acabam sendo obrigados a se tornarem noivos. Pelo menos é o que Gabriel, lorde St. Vincent, espera que aconteça. Ele estava planejando adiar sua ida ao altar pelo máximo que pudesse, mas ao bancar o cavalheiro perfeito, como ele sempre faz, acabou se colocando em uma enrascada.

7.12.18

7 livros que vão virar filme em 2019


Adaptações de livro: sempre polêmicas, mas também sempre bastante esperadas. É impossível não ficar animado quando descobrimos que nosso livro favorito vai virar filme! Do mesmo jeito que é através de adaptações do cinema que acabamos conhecendo obras literárias novas. E o ano de 2019 não vai ser diferente e já vai começar com alguns lançamentos cinematográficos, baseados em livros, bastante legais. Tem história de aventura infanto-juvenil clássica, com missões secretas e fadas; mais um sucesso do terror de Stephen King; um drama real que questiona a ideia de uma "cura gay"; e até um intenso drama que se passa no fim da Segunda Guerra Mundial. Sem delongas, conheçam esses 7 livros que vão virar filme em 2019:

Leia também:


James Bond encontra lendas celtas e seres encantados em Artemis Fowl, série irlandesa de Eoin Colfer que foi best-seller em todo o mundo e promete diversão e aventura para leitores dos oito aos oitenta anos. Uma das características mais marcantes dos livros é o desenrolar da história com diálogos rápidos e acontecimentos emocionantes a todo momento, que prendem a atenção do leitor. E o primeiro volume, Artemis Fowl: O Menino Prodígio do Crime, chega ao cinemas em 8 de agosto de 2019, com o subtítulo de O Mundo Secreto. Confira o trailer:


Em Artemis Fowl: O Mundo Secreto, acompanhamos um jovem gênio do crime, que aos 12 anos descobre o mundo das fadas e logo decide roubá-lo, tornando-se uma espécie de anti-herói. O protagonista, Artemis Fowl, faz parte de uma longa linhagem de criminosos e está buscando pistas também sobre o desaparecimento de seu pai. Contudo, sua aventura pelo universo mágico se torna mais perigosa ainda quando ele sequestra um elfo e cobra um resgate para libertá-lo, fazendo com que a Liga de Elite da Polícia parta em seu encalço.

1.12.18

Resenha: Coração-Granada - João Doederlein


O AUTOR E TEMÁTICAS DO LIVRO

João Doederlein é um jovem brasiliense que, como muitos dos poetas contemporâneos, começou na internet. No início de 2016 ele criou uma conta no Instagram, @akapoeta, que hoje já soma mais de um milhão de seguidores. Na sua página, Doederlein criou sua marca: poesias que imitam verbetes de dicionário, mas que trazem definições muito mais emocionantes, sensíveis e líricas para as palavras. Sua primeira obra física, O livro dos ressignificados, foi publicado em 2017 e se tornou um best-seller instantâneo. Agora, em 2018, chegaram as livrarias mais um título de Doederlein, Coração-Granada, que chama muita atenção pelo título, e também pela capa.

“toque (s.m.): é encostar. é pele na pele. é quando nossas moléculas se aproximam o máximo que podem, e a nossa existência se esbarra. eu tenho inveja da chuva que toca o seu corpo quando o céu chora e do sol que faz cafuné no seu cabelo todas as manhãs. o seu me causa arrepio.
é o meu coração dizendo através da minha pele na sua ‘ei, tô aqui’… é saudade da sua pele.” pág. 41

Em Coração-Granada, Doederlein não se limita a seus verbos, substantivos e adjetivos ressignificados, apesar de que eles têm sua vez. A obra se divide em três capítulos, respectivamente “o nome dela”, “quando a ansiedade chega” e “acalanta meu coração”. No primeiro deles, os poemas, verbetes e frases são declarações de amor, e registros de um coração partido. Com muita nostalgia, e bastante melancolia, o autor narra o começo, o meio, o fim e a superação (não necessariamente nessa ordem) de um curto, mas grande amor.

26.11.18

Resenha: Vox - Christina Dalcher


A HISTÓRIA

Ninguém esperava que chegasse a tanto. Mas depois que um presidente ultraconservador foi eleito e uma onda de retorno aos valores religiosos antigos tomou o país, tudo se tornou possível. Inclusive colocar uma pulseira em todas as mulheres e meninas, que as permitem dizer apenas 100 palavras por dia. Caso a cota seja ultrapassada, a mulher “infratora” levará um choque. Isso quando as que são pegas cometendo delitos mais graves, como fazer sexo antes do casamento ou se relacionar com outra mulher, são humilhadas e castigadas em TV aberta e mandadas para fazendas de trabalho compulsório.

“- (…) É uma organização com enorme peso religioso. - Jackie se inclinou pela janela, para ver melhor. - E são principalmente homens. Homens conservadores que amam seu Deus e seu país. - Ela suspirou. - As mulheres, nem tanto.” pág. 24

A Dra. Jean McClellan é uma das que nunca acreditou que chegaria tão longe. Mas agora que perdeu seu emprego e tem que economizar suas palavras, ela é tomada pela melancolia. Mais do que sofrer por si, Jean sofre pela sua própria filha. Como uma especialista em neurolinguística, ela sabe que quanto mais tempo a filha ficar com a maldita pulseira, mais sua capacidade linguística diminuirá. Isso se ela não crescer e se tornar completamente alienada, como seu filho mais velho, que verdadeiramente acredita que só os homens devem estar no poder e que o Estado deve gerir tudo com mão de ferro – e os dois pés na religião. Mas Jean é só uma entre as muitas mulheres silenciadas. O que ela poderia fazer para mudar alguma coisa?

22.11.18

Resenha: O Que Me Faz Pular - Naoki Higashida


O AUTOR

Nascido em 1992 no Japão, Naoki Higashida foi diagnosticado com autismo severo aos cinco anos. Tendo dificuldades para se comunicar verbalmente, ele aprendeu a ler e escrever com o auxílio de uma espécie de teclado de papelão com ajuda de sua mãe e professores. Desde então, Higashida vem escrevendo ensaios, poesias e pequenas histórias, tendo citado muitas vezes em entrevistas, e em O Que Me Faz Pular, que ser capaz de se comunicar pela escrita o faz se sentir humano. Higashida publicou esse livro aos 13 anos, que foi traduzido posteriormente para diversas línguas. Entre ficções e não ficção, livros infantis, poesias, ensaios e contos, o autor já publicou 21 obras, se tornando um dos mais premiados e conhecidos no Japão.

“Mas, tendo começado a me comunicar por texto, agora sou capaz de me expressar através da prancha de alfabeto e de um computador, e, por poder compartilhar o que sinto, percebo que eu também existo neste mundo como um ser humano.” pág. 48


O LIVRO

O Que Me Faz Pular reúne 58 oito perguntas frequentes sobre autistas, mais pequenas poesias e um conto. Com uma escrita intimista, Higashida conversa com o leitor sobre questões como porque autistas têm dificuldade de olhar nos olhos das pessoas, porque estão sempre correndo, ou porque são tão exigentes com a comida. Com sinceridade, bom humor e sensibilidade, o autor nos faz encarar o mundo da sua forma, como um garoto autista com limitações, mas que não é definido apenas por seu diagnóstico.

“Veja bem, para nós, o autismo é normal, então não temos como saber que os outros chamam de ‘normal’. Porém, a partir do momento em que aprendemos a os amar, não sei bem se faz diferença termos autismo ou não.” pág. 84

Quando a capa de O Que Me Faz Pular estampa a frase “palavras de um menino que rompem com o silêncio do autismo” não é exagero de forma alguma. Tendo como Higashida, muitas vezes, dificuldades de se comunicar verbalmente, pouco se sabia como as crianças autistas viam e experienciavam o mundo. Partindo de suas próprias experiências, Higashida narra como o transtorno afeta sua mente e sua vida, proporcionando-lhe uma visão única das coisas e pessoas ao seu redor. As respostas do autor são curtas e diretas, mas bastante esclarecedoras, além de emocionantes e divertidas.


Através de O Que Me Faz Pular também percebemos que, diferente do que aparenta, os autistas percebem muita coisa ao seu redor e que só porque não são tão eficazes em se comunicar em alguns casos e situações, não significa que eles não queiram ou que lhe faltem sentimentos ou ideias. Pelo contrário, ao explorar o modo diferente do de pessoas típicas de ver o mundo, Higashida também revela como pessoas autistas são, em última instância, como quaisquer outras: capazes de sentir alegria e raiva, desejosas por carinho e interação, preocupadas como os outros as veem, capazes de aprender, donas de personalidades complexas e imaginação rica, e muito mais.

Em resumo, a leitura de O Que Me Faz Pular é incrível. Além de esclarecer dúvidas comuns sobre autismo, o autor ainda nos encanta com suas belas e inteligentes poesias. A obra se encerra ainda com um conto mais longo, e impactante, que metaforiza como a dificuldade de se comunicar com quem amamos é dolorosa. É impossível não se cativar e se emocionar com as palavras de Higashida. Além disso, O Que Me Faz Pular nos torna um pouco mais empáticos e conscientes das limitações de pessoas que estão no Espectro do Transtorno Autista, mas também de suas identidades únicas, e como veem o mundo e a vida de forma diferente. Nenhuma surpresa que O Que Me Faz Pular se tornou um dos meus livros favoritos da vida e que recomendo para absolutamente todas as pessoas, especialmente as que têm curiosidade, seja casual ou acadêmica, em entender um pouco mais o autismo.


A EDIÇÃO

Infelizmente, a única tradução de O Que Me Faz Pular no Brasil não é fácil encontrar para compra. Essa edição, de 2014, traz uma diagramação simples, mas que combina com o estilo direto ao ponto do autor. A tradução está perfeita e não me lembro de ter encontrado erros ou ao menos trechos confusos. O livro conta com folhas amareladas e de material resistente. As páginas, além de apresentarem um bom tipo e tamanho de fonte, são recheadas com imagens abstratas muito bonitas, no estilo da que estampa a capa. E falando nela, a capa de O Que Me Faz Pular é bonita e atrativa, e combina com a obra (ainda mais o azul sendo a cor símbolo das campanhas relacionadas ao autismo).


QUOTES FAVORITOS

“Você deve estar pensando: ‘Ele nunca vai aprender?’ Sabemos que estamos deixando vocês tristes e chateados, mas sinto dizer que é como se não tivéssemos escolha, e é isso. Mas, por favor, façam o que fizerem, não desistam de nós. Precisamos de sua ajuda.” pág. 36

“Cada vez que alguém me subestima, eu me sinto extremamente infeliz – como se não tivesse nenhuma chance de um futuro decente. Compaixão de verdade significa não pisar na autoestima alheia. Pelo menos é assim que eu penso.” pág. 38

“Em poucas palavras, aprendi que cada ser humano, com ou sem deficiências, precisa se esforçar para fazer o melhor possível e, ao lutar para conseguir felicidade, ele a alcança.” pág. 84

“Enquanto escrevo, lembro do que vi, não em forma de cenas, mas como letras e símbolos. Letas, símbolos e sinais são meus melhores aliados, pois nunca mudam. Continuam sempre os mesmos, fixados na minha memória. E, quando estamos solitários ou felizes, da mesma forma como vocês poderiam cantarolar uma música para si mesmos, nós convocamos nossas letras. Enquanto eu escrevo, posso me esquecer de todo o resto.” pág. 89


Título: O Que Me Faz Pular
Título original: Jiheisho no boku ga tobihaneru riyu
Autor: Naoki Higashida
Editora: Intrínseca
ISBN: 9788580574975
Ano: 2014
Páginas: 192
Compre: Amazon

Conheça mais livros que falam sobre ou trazem personagens autistas: