13.1.19

Resenha: O Jardim Esquecido - Kate Morton


A HISTÓRIA

Em 1903, uma menina é deixada sozinha em um porto da Austrália. O homem que a encontra resolve criá-la como filha, chamando-a de Nell, e esconde sua única ligação com o passado: uma mala com um livro de contos de fadas dentro. Em 2005, a morte da querida avó de Cassandra, Nell, traz a tona segredos de família. Em seus últimos suspiros, Nell delirou sobre uma dama e um navio da qual a neta nunca ouviu falar. 

Quando comenta as estranhas falas de Nell no fim de sua vida a outros familiares, Cassandra descobre que sua avó escondeu dela sua origem misteriosa. E, aparentemente, foi nunca ter encontrado sua família verdadeira que a tornou uma mulher reservada, que preferia a companhia de objetos antigos a pessoas. Contudo, Nell deixa, em seu testamento, uma mensagem e um item misterioso. Cassandra herda da avó um chalé abandonado na Inglaterra, que escreveu que a neta seria a única a entendê-la.

8.1.19

Resenha: Amor Nas Highlands - Suzanne Enoch


A HISTÓRIA

Marjorie Forrester achava que dinheiro e um título fossem resolver todos os seus problemas. Mas, ser a irmã rica de um duque apenas significa que ela não precisa mais trabalhar para se sustentar. Seus sonhos de fazer parte da alta sociedade, por outro lado, continuam completamente frustrados. Agora que é uma lady, antigos conhecidos e amigos sequer olham na sua cara. Cansada de ser ignorada, Marjorie recebe a notícia do casamento do irmão com uma deliciosa surpresa. Mesmo ele afirmando que não é uma boa época para viajar para a Escócia, Marjorie decide surpreender o irmão aparecendo em seu casamento.

Contudo, os planos da garota dão completamente errado. Faltando pouco para chegar a propriedade do irmão, Marjorie é sequestrada pelos irmãos do visconde de Maxton. O próprio visconde, Graeme, se surpreende quando se vê cara a cara com ninguém menos que Marjorie Forrester, irmã do seu vizinho, o temido duque de Lattimer. Graeme não tem nada contra Lattimer, mas o líder de seu clã está em guerra com o ex-soldado e tudo o que Graeme não quer é se meter nesse conflito com sua propriedade a beira da falência e três irmãos mais novos para criar.

5.1.19

8 livros que preciso ler em 2019


Mais um ano começa e, com ele, mais uma batalha para equilibrar tempo e leituras! E um dos modos que encontrei para não perder meu hábito de ler é fazer tanto metas quanto listinhas de obras que quero devorar no novo ano. Em 2019, mais uma vez vou tentar ler um total de 70 livros, algo em torno de 6 por mês. E eu já separei algumas obras que quero muito tirar da minha (longa) listinha de "quero ler". Com obras desde não-ficção, sobre assuntos diversos como arrumação e escrita, a distopias e romances de época, minhas leituras desse ano prometem ser bastante diversas. Assim, sem mais delongas, conheçam os 8 livros que quero, e necessito, devorar em 2019!

Leia também:
8 livros que preciso ler em 2018
Os meus 10 livros favoritos de 2018
7 livros que vão virar filme em 2019


Faz algum tempo que minha mãe me recomendou o livro da Marie Kondo. Em busca de me tornar um pouco mais organizada, eu coloquei A Mágica da Arrumação na minha lista de leitura, mas acabei passando muitas outras obras na frente. Contudo, quando o programa da autora (Tidying Up With Marie Kondo, ou Ordem na Casa, como foi chamado aqui no Brasil), estreou na Netflix, eu logo corri para assistir e me apaixonei. 

O que eu acho interessante sobre a técnica da japonesa para colocar a casa e a vida em ordem é que ela se baseia não no que você precisa ou usa, e sim no que te traz alegria, felicidade. Mais do que se livrar das suas coisas, Marie Kondo traz uma filosofia de desapego do que você não gosta e valorização do que você gosta, de forma em que você adapta os objetos da segunda categoria para o espaço de armazenamento que você tem na sua casa. Tenho certeza que A Mágica da Arrumação é um livro muito interessante e que impacta nossa vida de forma prática, então mal posso esperar para lê-lo esse ano.

Em 2018, devorei O Ceifador, do Neal Shusterman, uma distopia incrível que fala sobre poder, corrupção, tecnologia e, principalmente, a importância filosófica da morte para dar sentido a vida. Assim, em 2019, quero terminar o segundo livro da trilogia Scythe, A Nuvem. Dando continuação aos acontecimentos do primeiro volume, a obra promete uma emocionante e impactante reflexão: o mal deve ser reprimido com violência e medo, ou combatido com compaixão e perdão? Mais do que isso, a obra também nos faz refletir se a tecnologia, em especial a inteligência artificial, sendo criada por seres humanos imperfeitos, pode ser perfeita e imparcial, e se o deve ser. Eu estou nas cem primeiras páginas de A Nuvem ainda, mas já adorando a obra. Foi uma escolha certeira para começar o ano bem!

2.1.19

Resenha: Delícia, Delícia - Donna Kauffman


A HISTÓRIA

Todo mundo acha que Leilani Trusdale enlouqueceu, mas ela nunca esteve mais sã. Depois de anos se matando em um restaurante em Nova York, ela decidiu abrir sua própria confeitaria na pequena ilha de Sugarberry. Além de ficar mais perto do pai, a mudança foi motivada pelo sonho de Leilani de construir um legado só para si… e esquecer seu antigo chefe. Baxter Dunne ficou mundialmente conhecido como Chef Hot Cakes graças a seu famoso restaurante e seu programa de televisão. Ele aparentemente tem tudo: um sotaque britânico, uma aparência perfeita, muita fama e dinheiro.

Baxter só percebeu que deixou a coisa mais preciosa da sua vida escapar após perdê-la. Contudo, ele está determinado a conquistá-la de volta. Quando Leilani fica sabendo que Baxter vai filmar seu programa na sua ilha, se convence de que ele quer acabar com a vida dela. A confeiteira deixou Nova York para se afastar dele, e dos boatos de que ela o seduziu em troca de sucesso, e agora Baxter está a perseguindo até ali. Imaginem qual é a surpresa de Leilani quando Baxter invade sua confeitaria e revela que, na verdade, ele está apaixonado por ela. E que gravar o programa na ilha de Sugarberry foi apenas uma desculpa para vê-la.

30.12.18

Os meus 10 livros favoritos de 2018


O último post de 2018 não poderia ser outra coisa além de uma retrospectiva das minhas leituras favoritas do ano. Eu tinha a meta de ler 70 livros esse ano e, infelizmente, consegui chegar apenas aos 68. Contudo, como o que importa é qualidade, e não quantidade, já fico feliz com o meu número de leituras da mesma maneira. Afinal, mesmo com uma rotina super corrida, acabei devorando, de acordo com o Skoob, 21.133 páginas esse ano! E vejam que legal essas estatísticas que o site também gerou sobre minha leitura mais longa, a mais popular, minha média de de notas, etc.:


Algumas leituras, claro, marcam mais do que outras. Contudo, no geral, acho que poucos livros em 2018 me decepcionaram. Eu li muitas coisas boas e de gêneros bem variados, acredito eu. Eu já falei melhor sobre meus romances queridinhos de 2018, então nada melhor do que, agora, indicar obras incríveis que li esse ano de outros gêneros. De drama e fantasia, a distopia e não-ficção. Conheça os 10 melhores livros que li em 2018:

Leia também:

o-fundo-e-apenas-o-comeco-neal-shusterman-editora-valentina-leitura-jovem-doenca-mental-meus-10-livros-favoritos-de-2018-mademoisellelovesbooks

Melhor drama: O Fundo É Apenas o Começo

Um livro que me emocionou do início ao fim em 2018 foi O Fundo É Apenas o Começo. A obra de Neal Shusterman aborda um tema bastante delicado, a doença mental em jovens, de forma sensível, mas impactante. Ao longo do livro, acompanhamos a transformação do protagonista de um garoto comum para um paciente de um hospital psiquiátrico, distante dos amigos e da família, e que não consegue mais distinguir entre realidade e delírio. Apesar da temática pesada e dos muitos momentos de tensão, O Fundo É Apenas o Começo foi uma leitura rápida, marcante e emocionante, mas que recomendo com ressalvas, porque pode servir de gatilho...


nao-me-abandone-jamais-kazuo-ishiguro-companhia-das-letras-premio-nobel-romance-distopia-ficcao-cientifica-os-10-melhores-livros-de-2018-mademoisellelovesbooks

Melhor ficção cientifica: Não Me Abandone Jamais

Ah, outra obra que me deixou em prantos esse ano foi Não Me Abandone Jamais. Ao narrar a vida de clones criados para serem doadores de órgãos, Kazuo Ishiguro traz reflexões sobre o significado da nossa existência e do que faz a vida valer a pena. Não se enganem, esse não é um livro fácil de ler. Eles nos incomoda - e parte nosso coração - com questões sobre a inevitabilidade de certos destinos (como a morte) e (a assustadora falta de) limites da ciência e da ética humana. Não Me Abandone Jamais é o tipo de livro que realmente te faz mudar durante e depois da leitura. Muito impactante e emocionante, não é nenhuma surpresa que o autor acabou ganhando um Nobel de Literatura em 2017.