16.9.19

Resenha: A Descoberta das Bruxas - Deborah Harkness


A HISTÓRIA

Diana Bishop é uma doutora em história fascinada por alquimia. Contudo, ela ignora a própria história. Diana descende de duas das mais poderosas famílias de bruxas dos Estados Unidos, mas perder os pais na infância a fez decidir viver longe do mundo mágico e a convenceu de que seus poderes são ínfimos. Mas, Diana não pode evitar a magia para sempre. 

Um dia, por acaso, ela requisita um livro - Ashmole 782 - na Biblioteca Bodleiana de Oxford, onde trabalha, e acaba com um manuscrito encantado em suas mãos. O poder da obra a assusta tanto que ela a devolve depois de ter olhado só as primeiras páginas. Mas, isso é o suficiente para colocar Diana em meio a uma disputa com outras criaturas. Todos os vampiros, bruxas e demônios da região sentiram que algo aconteceu e querem pegar o Ashmole 782 para eles.

Diana só entende o que está acontecendo quando um vampiro em especial, um dos mais antigos e belos que ela já conheceu, se aproxima dela. O professor Matthew Clairmonth confidencia a Diana que esteve procurando pelo manuscrito por séculos e especula que ele revele o maior mistério de todos: a história da origem das criaturas mágicas. Diana obviamente fica curiosa e temerosa, um livro que guarda tal segredo é tão valioso quanto perigoso. Mas, o feitiço sobre Ashmole 782 volta a agir e o livro desaparece mais uma vez.

Acreditando que de alguma forma Diana conseguirá recuperar a obra, Matthew se oferece como aliado da bruxa. Contudo, é mais que um misterioso livro que os liga. Diana fica tão fascinada com Matthew como ele por ela, mas as regras do mundo mágico proíbem relacionamentos entre diferentes criaturas. Uma bruxa e um vampiro deveriam se odiar, entretanto Diana e Matthew acabam indo pelo caminho contrário. 

Enquanto Matthew luta contra o seu desejo, Diana vê poderes novos e incontroláveis surgirem, assim como as mentiras e segredos de sua família. O vampiro acredita que ela é a bruxa mais poderosa do século e que salvará as criaturas da extinção. Mas será que Diana poderá aprender sobre a própria magia com sua cabeça já tão ocupada com a paixão que sente por Matthew? O destino deles parece ter sido traçado a muito tempo, mas mesmo assim seu amor proibido será alvo de uma organização antiga e perigosa que mantém a ordem do mundo das criaturas, a Congregação.


A SÉRIE

A Descoberta das Bruxas é o primeiro livro da Trilogia das Almas, de Deborah Harkness. A saga conta a história do amor proibido entre uma bruxa e um vampiro, que juntos tentarão descobrir a origem das criaturas mágicas (vampiros, bruxas e demônios) e salvá-las da Congregação, uma organização tirânica, e uma vida nas sombras. Este primeiro livro deu origem a primeira temporada da série de TV britânica A Discovery of Witches do canal Sky One, que conta com Teresa Palmer e Matthew Goode como casal protagonista.

O LIVRO x A ADAPTAÇÃO

A Descoberta das Bruxas está há anos na minha listinha de leitura. Contudo, foi só após assistir e amar o seriado de TV baseado na obra que fui buscá-la para lê-la, o que por si só foi difícil, já que é quase impossível comprar um exemplar novo do livro – tive sorte de encontrar um na biblioteca da minha universidade.

Como eu vi a série antes, é impossível não comparar a obra escrita a ela. E acabou que a adaptação de A Descoberta das Bruxas é bem fiel, grande parte dos momentos narrados no livro foram para a tela se não idênticos, com pequenas mudanças que deixaram a história ainda mais interessante. De fato, eu achei a trama na série um pouco mais madura e mais ágil. Com 640 páginas, é claro que A Descoberta das Bruxas se arrasta em alguns momentos, apesar de ter como ponto positivo a capacidade de explicar mais profundamente o fascinante e perigoso mundo mágico criado pela a autora.

E nesse quesito, A Descoberta das Bruxas precisa ser elogiado. Deborah Harkness foi bem a fundo para criar sua mitologia e consegue amarrar bem a sua versão da história das criaturas com acontecimentos reais, como a caça as bruxas em Salem e a Segunda Guerra Mundial. Também me impressionou a pesquisa cientifica que Harkness fez para basear sua obra. Matthew está procurando uma explicação cientifica para a origem das criaturas e a autora soube misturar bem teorias cientificas bastante plausíveis com o lado mágico e surreal da trama.

Contudo, outro detalhe que curti mais na série foi como alguns personagens secundários foram inseridos e mostrados na trama desde o início. Em A Descoberta das Bruxas, por ser narrado em primeira pessoa, o leitor fica preso a visão de Diana, assim, apenas ficamos sabendo de acontecimentos e personagens quando ela fica sabendo e decide narrar sobre, o que é bem menos emocionante do que os ver em primeira mão, como no seriado. A narrativa por si só também não é perfeita. Além da visão em primeira pessoa limitada para uma trama em um universo tão complexo, a autora se perde muito nos pensamentos da Diana, o que é um pouco irritante porque eu achei a protagonista por si irritante. A escrita de A Descoberta das Bruxas é repetitiva e, quando se coloca a narrar detalhes de um lugar ou pessoa, é ainda mais chatinha.

Por ser uma obra extensa, é compreensível que A Descoberta das Bruxas não consiga manter um mesmo ritmo durante toda a leitura. Mas os altos e baixos do livro, o revezamento de momentos com mais ação, com direito a perseguições e batalhas, com cenas mais calmas, como conversas longas entre os protagonistas e a investigação misteriosa dos dois sobre o livro mágico, consegue garantir que o leitor fique preso a trama. Além de doses de ação e mistério, o romance é também um grande atrativo de A Descoberta das Bruxas. Qualquer pessoa que goste de obras sobrenaturais já se deparou com histórias de amor proibidos de vampiros e humanos, mas essa se destaca pela mocinha ser uma criatura mágica também – no caso uma bruxa - e, no final, acabar sendo infinitamente mais poderosa que o mocinho. 

Outra peculiaridade de A Descoberta das Bruxas é que a história de amor proibido de Diana e Matthew é ao mesmo tempo muito rápida e muito lenta. Por um lado, eles já estão declarando amor eterno em poucas semanas, mas por outro, trocam pouco contato físico, já que estão resistindo bastante a esse amor. Não se enganem, eu amo um bom romance erótico em que o casal já vai pulando na cama logo nas primeiras páginas, mas gostei de A Descoberta das Bruxas mostrar que amor romântico nem sempre é vivido da mesma maneira e que não se baseia em sexo, mesmo ele sendo uma parte fundamental da relação.


OS PERSONAGENS

Confesso que, por causa dos personagens, me arrependi de ter visto a série primeiro, justamente porque eles são um pouco mais legais na adaptação. Primeiramente, Diana é muito mais submissa no livro que no seriado. Nas telas, ela está sempre questionando Matthew e fazendo besteiras por causa de sua teimosia. No livro, ela age de forma muita mais cuidadosa e inteligente, mas previsível e submissa as vontades de Matthew e acaba que o perigo não a encontra porque ela é ousada, mas simplesmente porque ela é desprovida de sorte.

Me decepcionei e irritei pela Diana do livro ser tão menos empoderada que a da série de TV. E, como no livro a história é contada pela visão dela, acaba que também fiquei de saco cheio de ler sobre seus pensamentos inseguros e ansiosos. Como narradora, Diana fica circulando a mesma questão por páginas e páginas em vez de só tomar uma ação, como na adaptação. Mas nesse ponto, perdoo a Diana e a autora por seu livro ter sido publicado em 2011. Nesses últimos oito anos, muito se mudou culturalmente e personagens como Diana, que hoje soam projetos feministas pela metade, eram bem revolucionárias naquele momento histórico. Pensem que Diana é extremamente inteligente, uma doutora em História que trabalha em uma das universidades mais prestigiadas do mundo e, ao longo da trama, entendemos também que é uma das bruxas mais poderosas de seu tempo. Ela acaba deixando Matthew tomar a liderança da situação na maioria dos casos? Sim, mas pelo menos faz com que sua voz seja ouvida e busca ativamente entender o mundo ao seu redor e revolucionar seus problemas. 

Também, felizmente, pelo que já li do segundo volume, acredito que Diana se tornará mais independente do seu par romântico até o final da saga. Assim, no fim, eu admiro e gosto da Diana pela capacidade que ela tem para se tornar uma personagem melhor, só a acho bem chatinha em alguns momentos. Mas, outro sinal de A Descoberta das Bruxas foi bastante moderno para sua data de publicação foi o fato de que Diana foi criada por duas mulheres. Eu amei as tias dela, Sarah e Emily, que são uma representação muito positiva e fofa de um casal lésbico em um gênero que é bastante sexista e heteronormativo. 

Diferente da Diana, eu gostei muito mais do Matthew do livro. Ele é um pouco sufocante, querendo tratar a Diana como uma bola de cristal? Sim, mas também é muito mais charmoso e perigoso na obra escrita. Em A Descoberta das Bruxas encontrei um Matthew mais sombrio, um autêntico vampiro com um humor afiado e um passado que lhe rendeu muitas cicatrizes e segredos. Mas, ele também tem uma personalidade mais vívida, com nuances mais profundas. O Matthew das páginas nos mostra mais de seu lado obscuro, mas também mais de seu lado humano (as cenas dele levando Diana para fazer ioga são incríveis e fico triste que não foram retratadas na adaptação). Mas no fim, é impossível não se apaixonar por ambas as versões do personagem, que é sempre fofo e inteligente.

CONCLUSÕES FINAIS

A Descoberta das Bruxas não é perfeito, mas ainda assim foi uma leitura incrível. Sempre digo que essa saga é basicamente Crepúsculo e Diários do Vampiro para adultos, só que em vez de apenas acrescentar cenas de sexo (que basicamente não existem nesse primeiro volume), a autora constrói um romance proibido sensual e instigante. Como pontos negativos, a leitura é longa e me decepcionou a protagonista ser tão mais submissa no livro que na série de TV. Contudo, A Descoberta das Bruxas é uma excelente mistura de romance, ação e suspense. A autora criou um mundo fantástico de criaturas mágicas e nos envolve do início ao fim com uma trama de amor proibido e um manuscrito mágico desaparecido. O livro termina no mesmo ponto que a primeira temporada da série, deixando o leitor sem ar e louco pela continuação. Mal posso esperar para pegar o próximo volume da trilogia!


Título: A Descoberta das Bruxas
Título original: A Discovery of Witches
Série: Trilogia das Almas
Volume: 1
Autora: Deborah Harkness
Editora: Rocco
ISBN: 9788532526489
Ano: 2011
Páginas: 640
Compre: Amazon

Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. Eu tinha o livro e nem ao menos o li porque não me empolguei, agora me arrependi rs Eu perdi a vontade porque na época eu tava um pouco saturada de personagens sobrenaturais em papeis de protagonismo. E nem ao menos sabia que tinha adaptação, agora não sei se dou uma chance e assisto ou se leio o livro.

    Abraço,
    Parágrafo Cult

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana, li esse livro e amei na época, porém estou até hoje para pegar a continuação, acho que é porque amei, mas foi uma longa leitura sabe!
    Adorei sua resenha e ela me mostrou pontos que não havia me atentado antes, a protagonista da série é muito melhor mesmo!

    Beijos Mila

    Daily of Books Mila

    ResponderExcluir

Sinta-se a vontade para expressar a sua opinião, para divulgar o seu site/blog ou para elogiar ou criticar o blog! Lembrando que comentários com conteúdos agressivos, ofensivos ou inadequados serão excluídos.

(Você também pode entrar em contato comigo por e-mail, formulário ou pelas redes sociais. Saiba mais na página "Contato".)