2.4.18

Resenha: Um Sedutor Sem Coração - Lisa Kleypas


A HISTÓRIA

Devon Ravenel cresceu nas sombras da alta sociedade. Primo de um conde, ele teve uma boa educação, mas está longe de dedicar sua vida aos ideais de pureza, humildade e civilidade da nobreza. Sem nunca ter trabalhado na vida, Devon, na companhia do seu irmão mais novo, West, é um libertino de carteirinha, que jurou nunca se dedicar a nada verdadeiramente útil. Assim, Devon sobrevive apenas para ir a próxima festa, ou ao próximo bordel… até que seu primo morre em um acidente estúpido e ele se vê obrigado a aceitar o título de conde.

Não que um título seja algo ruim, mas, com ele, Devon ganhou propriedades afogadas em dívidas e caindo aos pedaços. Assim como três primas órfãs e sem qualquer noção de como sobreviver fora da propriedade rural na qual cresceram. Mas, as jovens não são problema de Devon. Nem as fazendas falidas. Ele só quer vender tudo, pagar as dívidas e seguir a vida como se nada tivesse acontecido. E, para isso, ele deixa Londres com o irmão e vai até o seu condado, com o único propósito de expulsar as parentes de lá e vender tudo o que puder ser vendido. Entretanto, Devon não contava com a viúva do primo, uma mulher arrogante, teimosa e perigosamente inteligente, que está determinada em desafiá-lo.

Kathleen logo percebe que Devon, como seu falecido marido, tem o famoso e péssimo temperamento dos Ravenel. A família parece ter sido amaldiçoada com um gênio difícil e facilmente seduzido pelas tentações mais perigosas e perversas. Foi assim com seu marido, que se matou em um acidente estúpido, e agora é assim com Devon, um libertino arrogante e egoísta. Mas Kathleen se acostumou, desde criança, a conseguir o que quer por si mesma. Ela travará todas as batalhas que puder contra Devon para impedi-lo de vender a propriedade em que vive e, principalmente, de expulsar as primas dele; as jovens cunhadas que ela já ama profundamente e que, pela primeira vez, a fizeram sentir parte de uma família. Entretanto, a guerra pelo futuro do condado fica em segundo plano quando Devon começa a se sentir atraído por Kathleen, e ela por ele. Será que a guerra deles será vencida na cama ou se deixar levar pela paixão só trará ainda mais conflitos?


A SÉRIE E EXPECTATIVAS

Um Sedutor Sem Coração é o primeiro livro da série Os Ravenels, da escritora norte-americana Lisa Kleypas. Até o momento, a saga conta com quatro volumes (todos independentes, mas interligados) lançados no exterior e com uma quinta obra já programada para 2019. Todos os livros têm um casal diferente, em que um dos mocinhos ou pertence a nobre família Ravenel (também conhecida por seu temperamento forte, impulsivo, explosivo e apaixonante) ou é amigo de algum Ravenel.

“Os Ravenels sempre foram muito ardentes e impulsivos. Cediam a todas as tentações, se permitiam todos os pecados e zombavam de todas as virtudes. Como resultado, tinham tendência a morrer mais rápido do que conseguiam se reproduzir.” pág. 12

Eu fiquei imediatamente curiosa para ler Um Sedutor Sem Coração quando a Editora Arqueiro anunciou o lançamento de toda a série Os Ravenels. Sou apaixonada pelas histórias da Lisa Kleypas e sabia que não iria me decepcionar. Mas, qual foi a minha surpresa quando acabei me apaixonando pela obra ainda mais do que imaginava e terminando sedenta pelo próximo volume?

Conheça o restante da série:
Uma Noiva Para Winterborne - vol. 2


A LEITURA: NARRATIVA E TRAMA

A excelente escrita de Kleypas encontra sua melhor forma em Um Sedutor Sem Coração. Como sempre, a autora não se apega muito a descrições extensas, mas se dedica a entregar diálogos rápidos, engraçados e cheios de ironia e provocações. Esse livro também ganha um gostinho especial com as cartas curtas, mas hilárias que os personagens trocam entre si. Além das conversas cativantes e divertidas, a narrativa em terceira pessoa ainda consegue nos guiar bem por momentos de alto romantismo e boas doses de sensualidade, sem os tornar melosos ou vulgares. Com uma escrita tão boa, a leitura só fica mais fácil e rápida de ler.

Mas, se eu devorei Um Sedutor Sem Coração em um final de semana, foi graças a sua trama recheada de reviravoltas. Lisa Kleypas demonstra maestria em entrelaçar muito bem histórias principal e secundárias, equilibrando bem romance e drama. Como pano de fundo, o livro narra os conflitos de um libertino irresponsável assumindo seu papel como Conde e maior autoridade de uma família, uma jovem viúva tentando salvar o seu futuro e das cunhadas que ama como irmãs e, ainda, uma propriedade à beira da falência em caminho da recuperação ou da ruína total. Mas, o foco da obra é a história de amor de Devon e Kathleen, que é muito divertida, romântica e sensual – aspecto que abordarei melhor no próximo tópico.

Misturando paixão e dilemas familiares, Um Sedutor Sem Coração é um romance que não entedia. Pelo contrário, a autora consegue surpreender em muitos momentos, há em especial um acontecimento completamente inesperado (quem leu já sabe) que faz nosso coração acelerar horrores e dá uma guinada em toda a trama. Kleypas conseguiu conduzir e desenvolver muito bem a história, de forma que, apesar de grandinho para um romance de época (o livro tem 320 páginas), a leitura é muito gostosa, cativante e fluída.


OS PERSONAGENS E O ROMANCE DO LIVRO

Falando em personagens, a autora deu um show tanto com protagonistas quanto secundários recheados de personalidade. Achei interessante que, além dos mocinhos, outros personagens, como o irmão de Devon, West, e a prima deles, Helen, tem sua própria trajetória de crescimento dentro do livro - o que nos deixa mais ansioso pelos volumes e histórias de amor deles. Contudo, minhas secundárias favoritas foram, sem dúvida, as gêmeas Pandora e Cassandra. As duas jovens são hilárias, e bem incomuns, por isso tenho certeza que garantirão muito mais risadas e suspiros nos próximos volumes (especialmente o terceiro livro, Um Acordo Pecaminoso, que vai contar a história de Pandora com ninguém menos que Gabriel, Lord St. Vincent, filho de Evie e Sebastian, casal fofo de outro livro da autora, Pecados No Inverno).

Mas vamos falar dos protagonistas de Um Sedutor Sem Coração. Começando pelo sedutor do título, Devon. Eu gostei e desgostei do Devon. Por um lado, ele é divertido, um libertino provocador que sabe causar o melhor e o pior da nossa mocinha. Para falar a verdade, o Devon do início é insuportável. Ele é rude e egoísta em todos os sentidos. Contudo, felizmente, a trajetória do mocinho durante o livro é justamente perceber seus defeitos e tentar ser melhor não para si, mas para a sua família. Apesar de ter terminado como um cavalheiro digno de suspiros, ainda encerrei o livro com um pé atrás com o Devon. Em algumas cenas ele exibe um comportamento um pouco agressivo e machista para com Kathleen (como fazer com que ela se sinta encurralada para que ela o beije) algo que não é justificável nem na ficção.
“- Acho que esta é a parte na peça em que o nobre herói apareceria para salvar o dia, resgatar as donzelas e colocar tudo nos devidos lugares.
Devon esfregou os cantos internos dos olhos com o polegar e o indicador.
- A verdade, West, é que eu não poderia salvar esta maldita propriedade, nem as donzelas, mesmo se quisesse. Nunca fui um herói, e não tenho desejo algum de ser.” pág. 34

Já a Kathleen me cativou logo de cara. No início ela é bem megera e arrogante, mas não de uma maneira desagradável, como Devon. Ela é inteligente e determinada, e que salvar todo mundo que puder, colocando a si mesma de lado em muitos momentos. Seu desenvolvimento ao longo de Um Sedutor Sem Coração tem muito da mocinha descobrir que nem todas as regras (irritantes e limitantes) da alta sociedade precisam ser seguidas e que não é egoismo se colocar em primeiro lugar em alguns momentos. Eu gostei também que, apesar de não ser uma coisinha frágil, Kathleen descobre seu lado mais sensível sem perder sua força.

Como casal, Devon e Kathleen são muito divertidos e apaixonantes. Eles provocam o pior um no outro, então a história é recheada de conflitos, discussões e brigas. O que é bom, pois um casal que concorda em tudo logo de cara, além de chatinho, indica que alguém é submisso na relação (em geral a mulher), o que não é saudável ou divertido de ler. Contudo, conforme vão se apaixonando, Devon e Kathleen começam a descobrir um meio termo entre suas opiniões e um modo de, diferente do que faziam antes, trazer a tona o melhor um do outro. Os momentos dos dois são cheios de confusões e mal-entendidos, mas também situações hilárias e, claro, muito românticas e sensuais.

A EDIÇÃO

Um Sedutor Sem Coração tem uma excelente edição. A diagramação é a clássica da editora, com páginas cor de creme sem qualquer detalhe a mais. Achei a fonte do texto um pouco pequena, mas nada que atrapalhasse a leitura. A tradução é muito boa e não me lembro de ter encontrado qualquer erro. Eu adoro a capa de Um Sedutor Sem Coração, uma das mais bonitas de romances de época que já vi. O belo tom de rosa usado contrasta bem com o verde, criando um visual atraente. A imagem como um todo combina bastante com o livro, já que retrata uma dama em roupas da época observando uma bela e grande propriedade, o que representa bem Kathleen em sua luta pelo condado de Devon.


CONCLUSÕES FINAIS

Um Sedutor Sem Coração foi, sem sombra de dúvida, um dos melhores livros que já li da Lisa Kleypas. A autora mostra o seu melhor nesse romance de época com um casal conflituoso que, entre discussões divertidas e provocantes, acabam se apaixonando e vivendo momentos românticos e sensuais. Mas a história de amor é equilibrada com os dramas de uma família incomum e sua propriedade à beira da falência. Divertido, fácil e rápido de ler, Um Sedutor Sem Coração ainda fez meu coração bater mais forte com reviravoltas surpreendentes. O final me deixou maluca pelo próximo volume, com a história de Helen e Winterborne, respectivamente a prima e o amigo de Devon, que já tiveram um pouco de desentendimento nesse livro. A série Os Ravenels promete e fico feliz em recomendar esse cativante e delicioso primeiro volume, Um Sedutor Sem Coração.

QUOTES FAVORITOS

“- Milady… - o Dr. Weeks a observou por alguns segundos, os olhos cansados e bondosos. - Conheço muitos fatos científicos sobre o coração humano, e um deles é que é muito mais fácil fazer um coração parar de bater em definitivo do que evitar amar a pessoa errada.” pág. 173-4

“– O que as damas usam sob a calça de montar?
Uma risada ofegante escapou dos lábios de Kathleen, que deixou as luvas caírem no chão.
– Eu imaginaria que um renomado canalha já soubesse a resposta para essa pergunta.
– Nunca fui renomado. Na verdade, sou apenas um canalha bem padrão.” pág. 224

“- Só há um modo de eu provar que a amarei e serei fiel a você pelo resto da vida: amando e sendo fiel a você pelo resto da vida. Mesmo se você não me quiser. Mesmo se escolher não ficar comigo. Estou lhe dando todo o tempo que me resta.” pág. 314

Título: Um Sedutor Sem Coração
Título original: Cold-Hearted Rake
Série: Os Ravenels
Volume: 1
Autora: Lisa Kleypas
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580418156
Ano: 2018
Páginas: 320
Compre: Amazon - Submarino

Conheça mais livros da autora:

Comente com o Facebook:

0 comentários:

Postar um comentário

Sinta-se a vontade para expressar a sua opinião, para divulgar o seu site/blog ou para elogiar ou criticar o blog! Lembrando que comentários com conteúdos agressivos, ofensivos ou inadequados serão excluídos.

(Você também pode entrar em contato comigo por e-mail, formulário ou pelas redes sociais. Saiba mais na página "Contato".)