18.12.17

Resenha: Uma Duquesa Qualquer - Tessa Dare


A HISTÓRIA

Griffin York, o duque de Halford, já se conformou que nunca se casará e que a sua linhagem morrerá com ele. Um libertino de carteirinha, ele aceitou que nunca será tão importante ou grandioso como seus antepassados, por isso se entrega aos prazeres da vida e a irresponsabilidade. Sua mãe, a Duquesa de Halford, por outro lado, tem outros planos. Ela sequestra o filho e o leva até Spindle Cove, o lar das jovens aristocratas solteironas. A Duquesa sabe que as mulheres de Spindle Cove não são perfeitas, algumas são tímidas demais, outras muito escandalosas, mas ela implora para que Griffin escolha uma delas – qualquer uma, pois a Duquesa a transformará na dama perfeita.

Assim, Griffin decide dar uma lição à mãe e escolha a mulher mais inadequada de todas: a jovem garçonete da taverna de Spindle Cove. Pauline Simms estava tendo a pior manhã da sua vida quando um duque metido a besta resolve escolhê-la como esposa. Ela, que foi criada no campo e está acostumada a trabalhar duro por tudo o que tem resolve lhe dar uma lição e o leva para conhecer sua humilde casa e terrível pai. Griffin fica impressionado com a personalidade de Pauline, que responde a suas provocações a altura e provoca ele e sua mãe levando aquela loucura adiante. Contudo, quando o pai da garota propõe dar a mão de Pauline a Griffin por algumas moedas, ele percebe que foi longe demais em sua brincadeira fútil.


Griffin quer livrar Pauline de sua família terrível, e lhe propõe um acordo: ela deve fingir ser sua noiva por algum tempo, frustrar sua mãe dos planos malucos de transformar uma criada em duquesa e depois partir com alguns vestidos novos e uma boa quantia no bolso. Pauline fica bastante tentada a aceitar, afinal, o dinheiro seria bem vindo para realizar o seu sonho de abrir uma livraria em Spindle Cove. Mas, para isso, ela teria que ir para Londres com Griffin e sua mãe, e nunca sonhou em deixar sua irmã com necessidade especiais para trás. Então Griffin muda de estratégia, se Pauline se submeter as vontade de sua mãe por uma semana, deliberadamente se provando um desastre como possível duquesa, Griffin lhe dará mil libras e ela poderá voltar para a irmã em sete dias.

Mil libras é muita coisa e Pauline aceita o desafio, afinal, não será difícil para uma criada ser um fracasso bancando uma lady fina. Entretanto, ela e Griffin não esperavam que a mãe dele fosse tão determinada e bondosa: a Duquesa é paciente com Pauline, e logo se acostuma as respostas espertas e sarcásticas da garota, e encontra um jeito de fazê-la se portar bem, mesmo quando ela não quer. Contudo, Pauline percebe que está em apuros mesmo é com Griffin, de quem ela está cada vez mais próxima. Diferente do que ela esperava, Griffin se mostra um homem gentil e sedutor (mesmo com um passado sombrio e cheio de mágoas), que está cada vez mais encantado por ela. Mas, ambos sabem que não há um futuro para os dois. Pauline não pode ficar em Londres sem a irmã, e Griffin não quer se casar. Mas então porque eles não conseguem se manter longe um do outro?


A SÉRIE

Uma Duquesa Qualquer é o quarto volume dos cinco (publicados até o momento) da série Spindle Cove de Tessa Dare. Cada livro é independente e conta uma história de amor de um casal diferente, contudo, alguns personagens e cenários se repetem ao longo do livro, especialmente a vila de Spindle Cove, um refúgio de solteironas aristocratas desajeitadas. 

O príncipe de outra garota chegou. Esse foi o primeiro pensamento de Pauline quando entrou, apressada, e avistou o cavalheiro bem-vestido à frente da porta. Ela via isso acontecer de tempos em tempos naquela vila. As jovens aristocratas buscavam refúgio em Spindle Cove pelas razões mais estranhas. (…) E então – para completo espanto de todas, a não ser de Pauline -, algum belo conde, visconde ou oficial aparecia e se casava com elas. Nenhum deles sequer olhava para a atendente da taverna.” Pág. 21

Leia a resenha dos outros volumes da série: 
A LEITURA – NARRATIVA E TRAMA

Eu estava curiosa para ler Uma Duquesa Qualquer. Além de gostar bastante da série Spindle Cove e da autora, tinha lido bons elogios a obra. E, o romance de época não me decepcionou, mesmo não tendo conseguido superar o meu favorito da saga, o segundo volume, Uma Semana Para Se Perder. Uma Duquesa Qualquer já começa de forma divertida, com Griffin percebendo que foi “sequestrado” pela própria mãe e Pauline causando “acidentes” com açúcar para defender sua irmã. Pelo restante da obra, o bom humor se mantém - Pauline tem uma personalidade expansiva e troca diálogos recheados de ironia e provocação com os outros personagens, assim como vive cenas surpreendentes e divertidas, como ela perseguindo um ladrão em um vestido pomposo de festa.

Além de bem-humorada, a escrita de Tessa Dare é fluída e ágil, com poucas descrições e foco maior no que está acontecendo na história, algo que eu gosto bastante. Não me surpreende que eu tenha devorado o livro em algumas horas, além da boa narrativa em terceira pessoa, Uma Duquesa Qualquer conta com uma trama bem construída e desenvolvida. Apesar de ter previsto algumas coisas na história, como o porque do Griffin não querer se casar, o livro me surpreendeu bastante, em especial quanto ao conflito final dos protagonistas – por um momento até a autora me fez temer que os personagens não ficariam juntos, algo bastante inusitado em romances de época (em que o final feliz é, geralmente, garantido).

Apesar Uma Duquesa Qualquer ter uma pitada de conto de fadas, afinal é um pouco exagerado o modo como uma garçonete de taverna se acostuma rapidamente aos modos aristocráticos, o livro consegue não soar muito fantasioso. Parte disso se dá, creio eu, ao desenvolvimento do romance dos protagonistas. Eles não se apaixonam imediatamente, aos poucos vão descobrindo mais um sobre o outro, o que aumenta a atração física entre eles, mas o casal demora um bom tempo (não demais, claro) para se amarem de verdade. Isso se deve, creio eu, também ao bom equilíbrio entre as cenas de romance e as de comédia do livro. Uma Duquesa Qualquer não é um volume extenso, e grande parte da história acontece em apenas uma semana, mas, mesmo assim, consegue balancear os beijos roubados do casal com as tentativas frustradas e hilárias da Duquesa em transformar Pauline em uma dama.


OS PERSONAGENS

Outra característica cativante de Uma Duquesa Qualquer são seus personagens. A primeira coisa que preciso comentar foi a participação mais que especial de outros mocinhos da série, mas especialmente da Minerva e Colin, o meu casal favorita da saga Spindle Cove (o livro deles, Uma Semana Para Se Perder, é o meu queridinho da série). Também adorei os personagens secundários, minha favorita foi a Duquesa de Halford. A mãe de Griffin é uma senhora honesta e divertida, capaz de aprontar as maiores loucuras para conseguir o que quer – o que a fez me lembrar uma das minhas personagens favoritas de romances de época, a incrível Lady Danbury do universo dos romances da Julia Quinn. Acho que a Duquesa de Halford e Lady Danbury seriam excelentes amigas.

Quanto aos protagonistas, eu imediatamente fui cativada por Pauline. Ela é uma mulher inteligente e corajosa, que não tem medo de trabalhar para conseguir o que quer e não leva desaforo para casa. Pauline responde provações a altura, não se intimada com os nobres e ainda protege a sua irmã com unhas e dentes. É emocionante ver a devoção de Pauline a sua irmã, que não deixa de ter os próprios sonhos e desejos, mas que nunca se esquece de incluir a irmã neles. Seus planos de criar uma livraria em Spindle Cove, com livros clássicos, de poesia até romances escandalosos, rende cenas muito divertidas e me fez gostar ainda mais da personagem.

Griffin também é um mocinho cativante. Divertido e cheio de provocações, ele esconde segredos dolorosos, mas que não o impedem de ser gentil com as pessoas. Eu gostei bastante que, mesmo se apaixonando por Pauline, ele nunca tenta forçar sua vontade sobre ela, deixando-a decidir o que quer fazer e como quer fazer. Griffin também não julga Pauline em relação a sua origem humilde, pelo contrário, se inspira na força e na vontade de trabalhar da personagem para encontrar um sentido para a própria vida. Como casal, Griffin e Pauline não são perfeitos um para o outro, mas vão encontrando seu equilíbrio conforme a história se desenvolve. Nenhum deles nunca pede o outro para mudar ou desistir de sua vida, o que torna o relacionamento mais fofo e romântico ainda.


A EDIÇÃO

Uma Duquesa Qualquer tem uma boa tradução e um texto sem erros, além da diagramação simples, semelhante a dos outros livros da série. As páginas amareladas ajudam a deixar a leitura ainda mais rápida e confortável. Eu adoro a capa de Uma Duquesa Qualquer. Ela é bonita e combina com as outras capas da série Spindle Cove. Sem falar que o tom de rosa usado combina com o ar leve e romântico da obra, assim como a modelo em um vestido branco (a Pauline usa vários vestidos da cor ao longo do livro).

CONCLUSÕES FINAIS

Com muito bom humor, Uma Duquesa Qualquer se destaca dos outros livros da série Spindle Cove por provocar mais risadas que suspiros, já que não traz tanta sensualidade e cenas de paixão como os livros anteriores. Mesmo não tendo superado o meu volume favorito da saga, Uma Semana Para Se Perder, a obra me cativou bastante, a ponto de que a devorei em apenas algumas horas. Com muitos diálogos sarcásticos e provocadores e cenas divertidas e inusitadas, Uma Duquesa Qualquer ainda entrega um romance que se desenvolve devagar, mas de forma romântica e com pitadas de conto de fadas. Os personagens também agradam: o mocinho é gentil e com um passado sombrio, a heroína atrapalhada e cheia de personalidade, assim como a mãe dele, que banca a casamenteira e fada madrinha. Bom humor é a palavra de ordem em Uma Duquesa Qualquer e vai agradar fãs de romance de época que procuram uma leitura leve, gostosa e rápida de ler, além de engraçada. Nem preciso dizer que estou ansiosa pelo próximo livro da série Spindle Cove e da autora Tessa Dare.


QUOTE FAVORITO

Pauline assistiu ao duque – bom Deus, um maldito duque – levar a mão da irmã à boca e beijá-la. Que Deus a ajudasse, mas pelo mais breve dos instantes, Pauline se apaixonou por aquele homem. Não importou a promessa de mil libras, ele poderia ficar com a alma dela por um xelim.” Pág. 37

Título: Uma Duquesa Qualquer
Título original: Any Duchess Will Do
Série: Spindle Cove
Volume: 4
Autora: Tessa Dare
Editora: Gutenberg
ISBN: 9788582354735
Ano: 2017
Páginas: 272
Compre: Amazon - Submarino

Leia também:

Comente com o Facebook:

1 comentários:

  1. Ainda não li nada da Tessa, mas minha mãe tem as duas séries dela lançadas por aqui e pretendo pegar emprestado em breve para ler. Ótimo conferir suas impressões. Beijos

    ResponderExcluir

Sinta-se a vontade para expressar a sua opinião, para divulgar o seu site/blog ou para elogiar ou criticar o blog! Lembrando que comentários com conteúdos agressivos, ofensivos ou inadequados serão excluídos.

(Você também pode entrar em contato comigo por e-mail, formulário ou pelas redes sociais. Saiba mais na página "Contato".)