8.11.17

Resenha: Um Acordo de Cavalheiros - Lucy Vargas


A HISTÓRIA

Dorothy Miller é uma dama que, anos atrás, cometeu o erro de se entregar ao homem que achava que amava. A experiência foi, no mínimo, traumática, e Dot já aceitou que, como uma “mercadoria estragada”, ela não serve mais para o casamento. Assim, para se redimir, a mulher tenta sempre manter um comportamento exemplar, e dedica todos os seus esforços para impedir a prima mais nova, Cecilia, cometa os mesmos erros. É por isso que a própria Dorothy se surpreende quando acorda na cama de ninguém menos que Tristan Thorne, o escandaloso e belo Conde de Wintry.

Dorothy culpa a bebida por ter deixado Tristan levá-la para cama. Mas, ele, que lembra muito melhor da noite do que ela, ficou fascinado não só pela beleza de Dot, mas pela honestidade com a qual eles trocaram profundas e dolorosas confidências. Tristan sabe que a aristocracia, como a própria família, o abomina. O Conde de Wintry é conhecido por suas aventuras escandalosas, regadas a bebida e mulheres bonitas. Ele sabe que as pessoas exageram nos boatos, mas é verdade que Tristan adora não seguir as regras hipócritas dos nobres. Com tantos problemas na sua vida, incluindo um elaborado plano de vingança, Tristan evita se envolver com damas, mas acha Dot fascinante demais para resistir.

O Conde de Wintry percebe que, por baixo dos panos de boa moça, Dorothy é uma mulher inteligente, com um humor afiado e desejos profundos. E ele quer ter tudo isso para si. Quando Tristan sugere que eles sejam amantes, Dorothy não sabe se foi ela ou ele quem ficou louco. Envolver-se com o Conde de Wintry será como dar adeus a sua boa reputação, e talvez por isso que Dot fique tão interessada. Ela já desistiu de se casar, então porque não se divertir por alguns meses com um homem bonito e interessante, que a respeita e deseja? Assim, Dot e Tristan fazem um acordo de cavalheiros: eles serão amantes durante a temporada, mas ninguém pode saber, claro. Contudo, logo fica cada vez mais difícil guardar esse segredo dos nobres fofoqueiros. Isso sem falar que arrebatadora paixão entre eles começa a virar amizade… e algo mais. Será que Dot conseguirá levar esse acordo sensual e diabólico até o fim? Até mesmo quando os segredos de Tristan ameaçarem o arranjo dos dois?


A LEITURA: TRAMA E NARRATIVA

Eu estava animada para ler Um Acordo de Cavalheiros. Já tinha visto várias pessoas recomendando, apaixonadas, as obras da Lucy Vargas e, agora, estou feliz em poder dizer que sou uma delas. Esse livro já começou de forma surpreendente quando nos deparamos, na primeira página, com a nossa heroína já na cama do mocinho. Esse início tão sensual quanto divertido acaba ditando o tom de todo o livro: uma mistura perfeita de romance de época com romance erótico.

Apesar de ter sim um bom número de cenas de sexo, todas bem descritas, Um Acordo de Cavalheiros não perde o ar de romantismo e inocência dos romances de época. Mesmo acordando na cama do mocinho no início do livro, a heroína demora um pouco mais para se envolver de verdade com ele. Contudo, a tensão sexual entre eles está presente do início ao fim, e isso não é algo ruim. Com um bom nobre devasso que é, Tristan adora provocar Dorothy das maneiras mais sensuais, escandalosas e divertidas possíveis. Um Acordo de Cavalheiros é carregado de muito bom humor, com diálogos instigantes e recheados de provocações e ironias que, em vários momentos, me fizeram gargalhar.

Lucy Vargas tem uma excelente narrativa. Sem se prender a muito a detalhes, ela conta sua história na terceira pessoa, de forma ágil e cativante. Além de desenvolver bem o romantismo e sensualidade da obra, a autora ainda encanta o leitor com boas pitadas de ação, drama e mistério, graças a trama paralela sobre Tristan e seu implacável plano de vingança. Infelizmente, a história de Um Acordo de Cavalheiros é bem previsível. Apesar de nenhuma das várias reviravoltas terem me surpreendido, elas deixam a história bem movimentada e dinâmica, o que é sempre um ponto positivo.

Eu gostei muito de como a autora soube equilibrar cenas de paixão com planos casamenteiros e momentos de idas a bailes e passeios de carruagem, assim como investigações soturnas, com direito ao mocinho invadido mansões e enganando nobres em jogos de cartas. Ao entrelaçar bem a trama principal (o romance de Dot e Tristan) com as tramas paralelas (Dot tentando encontrar o marido perfeito para a prima e Tristan em busca de sua vingança), Vargas conseguiu deixar Um Acordo de Cavalheiros instigante e emocionante, mesmo que não surpreendente. A autora ainda me conquistou bastante ao falar sobre liberdade feminina, entre elas a sexual, mostrando como as mulheres eram bastante reprimidas na época, sendo que não era raro muitas delas serem tratadas (e traficadas) como objetos de prazer dos homens.


OS PERSONAGENS

O casal protagonista tem uma dinâmica incrível, que se equilibra bem entre uma disputa de vontades e de temperamentos. Mais do que amantes, Tristan e Dorothy se tornam amigos ao longo do livro, ao mesmo tempo em que encaram verdades sobre si mesmos, o que deixa a jornada de ambos ainda mais cativante. Tanto Tristan e Dorothy amadurecem conforme vão se apaixonando, e aprendem um com o outro que podem viver de forma diferente.

Dot me conquistou logo de cara, com seu bom humor e determinação em não deixar Tristan, ou qualquer um, subjugá-la. O carinho que ela tem com a prima, Cecilia, é cativante, ainda mais por causa das brigas constantes entre as duas, o que deixou o relacionamento de ambas bastante real. Eu fiquei feliz em ver Dorothy se empoderar ainda mais ao longo da história, conforme ela vai percebendo que ter desejos e se entregar a eles não a faz uma mulher ruim ou suja.

E nesse aspecto tão feminista do livro, Tristan se destaca como um dos mocinhos menos machistas e mais incríveis que eu já vi. Ele é um defensor determinado da liberdade feminina (especialmente da liberdade sexual), mas não se contradiz em nenhum momento sendo chato ou sufocante, como outros heróis de romance de época que já vi por aí. Tristan provoca Dot, sente ciúmes dela, manda cartas mesmo quando ela não o responde, mas não chega a forçá-la a nada, e sempre repeita as decisões que a mulher toma. Assim, mesmo sendo um devasso com um lado muito sombrio, é difícil não se cativar a ele.

Um Acordo de Cavalheiros também conta com um bom número de personagens secundários incríveis. Como fiquei sabendo em uma nota da autora, no final do livro, vários personagens que aparecem em Um Acordo de Cavalheiros pertencem a outros romances de época da regência da Lucy Vargas, o que me deixou imensamente curiosa por essas obras. Mas, minha personagem secundária favorita, que se já não tem um livro, mais do que merece um, foi a Cecilia. Ela é jovem dama sem papas na língua e encantada por nobres devassos. A forma como a garota não esconde seus desejos e ideias é bem cativante, e adoraria vê-la encontrar um par tão apaixonante e perigoso como os lordes escandalosos que ela tanto admira.


A EDIÇÃO

A edição de Um Acordo de Cavalheiros está excelente. A diagramação é simples, sem quaisquer detalhes especiais, mas o texto não tem nenhum erro. A fonte das letras é de um bom tamanho e as páginas cor de creme ajudam a deixar a leitura ainda mais rápida e leve. Eu adoro a capa de Um Acordo de Cavalheiros. Os tons de azul usados são muito bonitos, especialmente em contraste com o rosa claro do título. Sem falar que a imagem da mulher com um vestido de época aberto nas costas combina perfeitamente com a obra, que mistura romance de época e erótico.

CONCLUSÕES FINAIS

Apesar de não ser surpreendente, Um Acordo de Cavalheiros é uma excelente mistura de romance de época e romance erótico. Em meio a sensuais cenas de paixão, também nos deparamos com momentos divertidos de idas ao teatro e danças ao baile, ao mesmo tempo em que lemos sobre perseguições secretas e planos de vingança. Com toques de romantismo, sensualidade, ação, drama e mistério, Um Acordo de Cavalheiros se torna uma leitura ágil e muito cativante. Ainda somos agraciados com um casal fofo, que troca diálogos muito divertidos, recheados de provocações e ironia. Eu gostei bastante de Um Acordo de Cavalheiros e, agora, estou bastante curiosa para ler mais obras da autora.

Título: Um Acordo de Cavalheiros
Autora: Lucy Vargas
Editora: Bertrand Brasil
ISBN: 9788528621785
Ano: 2017
Páginas: 350
Compre: Amazon - Submarino

Comente com o Facebook:

0 comentários:

Postar um comentário

Sinta-se a vontade para expressar a sua opinião, para divulgar o seu site/blog ou para elogiar ou criticar o blog! Lembrando que comentários com conteúdos agressivos, ofensivos ou inadequados serão excluídos.

(Você também pode entrar em contato comigo por e-mail, formulário ou pelas redes sociais. Saiba mais na página "Contato".)