6.12.13

Resenha: Esc@andalo - Therese Fowler

Título: Escândalo
Título original: Exposure
Autora: Therese Fowler
Editora: Novo Conceito
ISBN: 978-85-8163-317-6
Ano: 2013
Páginas: 384
Classificação: 4/5 [muito bom]
Sinopse: Amelia Wilkes tem um pai rigoroso que não permite que ela namore, mas isso não a impede de viver um romance secreto com o cativante Anthony Winter. Desesperadamente apaixonados, os dois sonham uma vida juntos e planejam contar tudo sobre seu amor aos pais de Amelia... Mas só depois que ela completar dezoito anos — e for legalmente reconhecida como adulta. No entanto, a paixão do casal é exposta mais cedo do que o previsto... Eles são jovens, andam grudados aos seus celulares e postam todo tipo de informação — inclusive aquelas informações mais particulares, que só deveriam dizer respeito a eles mesmos — até que o pai de Amelia encontra fotos de Anthony, nu, no computador de sua filha. Poucas horas depois, Anthony é preso. Apesar dos protestos de Amelia, seu pai usa de todo o poder e influência entre os policiais, e entre os meios de comunicação, para transformar Anthony em um pervertido que caçava sua inocente filha. De mãos atadas, cabe aos dois apaixonados arriscar uma última saída, ousada e perigosa, e apagar a acusação de sexting que Anthony recebeu.

“O amor não era uma força sobre a qual se pudesse legislar e impedir até depois que a pessoa completasse 18 ou 21 anos de idade.” (Pág. 84)


Harlan Wilkes trabalhou duro para construir seu império de venda de automóveis de luxo e garantir para sua família e, principalmente, para sua filinha, uma vida luxuosa que ele mesmo não teve. Ele acredita piamente que sua garotinha, Amelia, tem um grande futuro pela frente e que não deve perder seu tempo com garotos ou mesmo teatro. Mas a garota pensa muito diferente. Seu sonho, aquele que esconde dos pais, é entrar na Universidade de Nova Iorque, NYU, e tentar carreira na Broadway. Tudo, claro, ao lado de Anthony Winter, seu namorado e grande amor. 

“Anthony era apaixonado. Insubmisso. Talvez o melhor de tudo, Anthony era um segredo.” (Pág. 12)
Anthony é o cara perfeito para Amelia: bonito, inteligente, que ama ler e, como ela, atuar. Mas ciente de que o pai seria completamente contrário ao relacionamento de sua filinha com um filho de uma professora solteira e que pretende seguir uma carreira artística, Amelia escondeu seu relacionamento dos pais, assim como seus planos reais para o futuro. A garota mal pode esperar para ir para Nova Iorque ao lado de Anthony e se libertar dos pais. Entretanto, ela sabe que tem um longo e tortuoso caminho a percorrer, afinal os pais não vão aceitar tudo tranquilamente. 
“- On est tous dans le même bain – ela costumava dizer a seus alunos durante as aulas de francês, Amelia incluída. Estamos no mesmo barco. – As fronteiras são arbitrárias, imposições artificiais, criadas pela mão humana – também costumava lembrar. E depois havia a frase que Amelia mais gostava: - A autoridade é para ser questionada.” (Pág. 14)
Enquanto não podem se relacionar abertamente, Amelia e Anthony namoram as escondidas, usando a tecnologia a seu favor. Entretanto, a tecnologia se volta contra eles, assim como o pai da garota. Harlan, como o bom pai controlador que é, um dia resolve invadir a privacidade da filha e mexer em seu computador sem que ela saiba. Entre outras fotos inocentes de Amelia com as amigas, Harlan encontra fotos de um garoto nu, que ele descobre mais tarde ser Anthony. Achando que aquele rapaz estava perseguindo e corrompendo sua inocente filha, o cara chama a polícia. 
“A expressão “filinha do papai” inspirava-se em filhas como Amelia, que não tinham como saber que, pelo simples fato de crescer, eram obrigadas a partir o coração do pai. Se Amelia soubesse que um homem poderia ser frágil também, então teria tomado mais cuidado em protegê-lo.” (Pág. 21)
De início, Amelia tenta convencer o pai de que não é nada demais, uma brincadeira idiota de Anthony, que ela já denunciou para a escola. Entretanto, pressionada pela presença dos policiais, ela acaba revelando parte da verdade, que Anthony é um amigo e que ela pediu a ele que enviasse as fotos. O pai não acredita muito nessa versão e um promotor conservador resolve levar o caso para frente. Assim, Anthony é preso e Amelia proibida de vê-lo e afastada da escola por uns dias. Ainda inconformado com a história, Harlan começa uma verdadeira perseguição contra Anthony, usando sua influência e a mídia para pintá-lo como um perigoso predador sexual.
“Onze dias que mais pareciam anos, sem ouvir a voz de Amelia, sem vê-la, sem tocá-la, sem uma mensagem de texto ou um e-mail dela. Estava surpreso que tivesse sobrevivido.” (Pág. 188)
Anthony, que nada mais fez além de enviar fotos para sua namorada, vê sua vida virar completamente de cabeça para baixo. Ele assim começa uma batalha contra a justiça, da qual pouco conhece, para não só provar que não é esse monstro que Harlan diz que ele é, mas para poder ficar com Amelia novamente, coisa que o pai da garota está pouco disposto a aceitar. Mas a caçada de Harlan se volta contra o caçador. Seus esforços para acabar com a vida de Anthony inevitavelmente se voltam contra sua própria família. A polícia encontra fotos de Amelia nua que a garota enviou para Anthony e, assim, ela também começa a ser acusada. Harlan fica confuso por causa das acusações, afinal sua filha é uma vítima e não uma criminosa. Quando Amelia é presa, sua família começa passar pelo mesmo inferno que a de Anthony, e os pais da garota são obrigados a encarar algumas verdades e decidir quem é o verdadeiro inimigo: Anthony, a justiça ou a visão distorcida que eles têm de sua própria filha. Enquanto isso, o casal de adolescentes faz de tudo para não deixar as adversidades acabar com seu amor, nem que para isso tenham de enganar a todos e recorrer as mais desesperadas das medidas. 

“- Pense em Julieta...
- Ela não é um herói...
- Heroína, a mesma coisa – disse-lhe Anthony. – A questão é que ela não deveria ter concordado com o plano de Romeu, certo? Era muito arriscado. Ela fez um mau julgamento. Seu amor por Romeu tornou-a imprudente.” (Pág. 165)

Comecei “Esc@andalo” com baixas expectativas. Esperava uma história melosa e exageradamente dramática, e, por mais que o livro tenha bastante desses dois aspectos, logo fui envolvida pela trama. O início é bem lento, mas a história logo ganha o ritmo certo. A angústia dos personagens ultrapassa as páginas e se transfere para o leitor, deixando-o louco para saber o que virá a seguir. Li “Esc@andalo” em poucos dias, mais rapidamente do que esperava, pois a cada página ficava ansiosa para saber o desfecho da história. A narrativa da autora flui com rapidez, apesar de que alguns, e não poucos, momentos, ela parece se perder um pouco, divagando e explorando detalhes que achei desnecessários. Entretanto, ela soube envolver o leitor em sua história, talvez pelo livro ser inspirado em algo similar que aconteceu com o seu filho, tanto os personagens quanto acontecimentos não pareceram forçados e sim o contrário, bem reais. Mas, isso gerou um ponto negativo. A narrativa em terceira pessoa de Fowler não é imparcial, ela toma partido muitas vezes, julgando de acordo com seu ponto de vista. Só pelo modo como escreve é possível perceber que a autora passou por uma situação similar e que tem uma opinião bem formada sobre. Ela está sempre do lado dos protagonistas, Anthony e Amelia, reforçando que eles não deveriam ser criminalizados apenas por enviarem fotos íntimas um para o outro. No final do livro, a autora comenta, em uma nota, que seu filho foi acusado de um crime similar. Também acho que foi bem exagerado o modo como o pai de Amelia reagiu, assim como o promotor que levou o caso adiante, afinal eram apenas fotos (mesmo que para mim não seja normal enviar fotos nuas para qualquer pessoa). Mas o modo como a autora ficou o tempo todo julgando os pais de Amelia, pintando-os como dos vilões da história, foi irritante e desnecessário. Apesar disso, gostei bastante da história, a autora conseguiu fazer uma releitura de Romeu e Julieta extremamente atual e que não fosse completamente clichê.

A trama conseguiu surpreender, não sendo apenas mais uma história de amor proibido inspirada na de Sheakespeare, mas os personagens foram muito previsíveis. Anthony é o clássico príncipe romântico, um rebelde intelectual, antigo sedutor de mulheres, defensor e representante dos fracos e oprimidos (sério, o cara só não tem um cavalo branco). Já Amelia é a típica filinha perfeita, com complexo de inferioridade e insegurança, carente de amor, sentimento que, quando descoberto, desperta seu lado rebelde. Juntos, os dois são um casal perdidamente apaixonado e completamente inconsequente, que não conseguem viver direito se não se falarem, literalmente, a cada hora. Os pais de Amelia, como já disse, são os vilões, aqueles pais hiper-chatos, que não vem a realidade nos filhos, enquanto a mãe de Anthony é a artista culta que apoia o romance secreto. A trama não permite que nenhum dos personagens seja entediante, mas, por si só, eles são bem chatinhos e clichês.


Já quanto a edição do livro, não tenho reclamações. A tradução e diagramação, apesar de simples, estavam perfeitas. O livro tem páginas amareladas, que adoro, e o tipo da fonte estava bom, apesar de que achei o tamanho dela muito pequeno. A capa é muito bonita e combina perfeitamente com a história, apesar de que gosto mais da original (ao lado). Gostei da adaptação do título, “Exposure”, em português, “exposição”, ia ficar bom, mas não daria o mesmo efeito de “Esc@andalo” – que com esse “@” combinou ainda mais com o livro.

“Esc@andalo” foi uma boa leitura e superou minhas expectativas. O livro tem pontos negativos e positivos que, juntos, fazem uma boa história, mas que não chega a ser digna de uma releitura ou lugar entre os favoritos. Entretanto, fiquei com vontade de conhecer outras obras da autora. Recomendo o livro para os amantes de romance que não se importam com clichês e uma grande dose de drama. Independente da minha opinião sobre o livro, é impossível negar que ele acaba deixando uma boa mensagem para todos nós. Estamos cercados e muito viciados, sem exceção alguma, em tecnologia. O limite entre o público e o privado está tonando-se cada vez mais tênue e muitas vezes sequer o percebemos. Será que momentos íntimos precisam mesmo ser registrados em qualquer outro lugar que não a memória? Porque, quando eles deixarem de ser íntimos, deixarem de ser privados, é impossível prever os estragos que vão causar. Pode ser que até mesmo o mais avassalador e profundo amor não resista a tão poderosa arma que é a tecnologia.

“- Eles são tão jovens – disse a mãe. – Nós pensamos que a juventude é uma benção, mas às vezes é uma maldição.” (Pág. 315)


Comente com o Facebook:

9 comentários:

  1. aaah,l estou doida para ler este livro!
    coitada da Amelia... e coitado do Anthony também... sofrer com o pai dela desse jeito :S

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana!
    Não conhecia a história desse livro, e infelizmente ela não me interessou. Que bom que você gostou!

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  3. Comprei Esc@ndalo a 2 meses e agora ele está na minha lista de espera para ser lido ^^

    http://amolivrosdeverdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Ana, gosto dos livros que as emoções nos tocam, mais esse início lento me desanimou.. porém gostaria de ler se tiver oportunidade..

    Beijos e tem selinho para vc no Daily
    http://www.dailyofbooks.blogspot.com.br/2013/12/tag-6-on-6.html

    ResponderExcluir
  5. Oi Ana!
    Um começo de livro lento meio que desanima não é ?? rsrs
    Interessante essa releitura que foge do clichê e é especialmente contemporânea. Só no mês passado foram dois casos de adolescentes que tiveram fotos expostas na net e que não tiveram final feliz :/
    Como vc disse o limite entre o público e o privado é extremamente tênue e pode infelizmente ser perigoso.
    Parabéns pela resenha!
    Bjss

    ResponderExcluir
  6. Também gostei muito do livro, com uma escrita envolvente, a autora me fez ler e nem perceber o quanto eu ia evoluindo. Em relação ao enredo, achei que faltou mais atitude da Amanda e da mãe dela, ao deixarem o pai fazer todo o circo e ainda colocar na cadeia um inocente.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  7. Ainda não li esse livro mas vi tantos comentários positivos que fiquei até animada pra ler :)

    http://livroaoavesso.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Já tinha visto esse livro, mas não sabia sobre o que se tratava. A falta de atitude e insegurança de Amelia tornaram a situação mais grave e o pai da garota fez o que parecia o melhor para protegê-la.

    ResponderExcluir
  9. Não conhecia o livro e amei sua resenha. Já anotei na minha lista de livros para 2014.

    ResponderExcluir

Sinta-se a vontade para expressar a sua opinião, para divulgar o seu site/blog ou para elogiar ou criticar o blog! Lembrando que comentários com conteúdos agressivos, ofensivos ou inadequados serão excluídos.

(Você também pode entrar em contato comigo por e-mail, formulário ou pelas redes sociais. Saiba mais na página "Contato".)