20.9.12

Resenha: Precisamos Falar Sobre o Kevin - Lionel Shriver

Título: Precisamos Falar Sobre o Kevin
Autora: Lionel Shriver
Editora: Intrínseca
Ano: 2012
Páginas: 463
Classificação: 5/5 (favorito)
Sinopse: Para falar de Kevin Khatchadourian, 16 anos – o autor de uma chacina que liquidou sete colegas, uma professora e um servente no ginásio de um bom colégio dos subúrbios de Nova York –, Lionel Shriver não apresenta apenas mais uma história de crime, castigo e pesadelos americanos: arquiteta um romance epistolar em que Eva, a mãe do assassino, escreve cartas ao marido ausente. Nelas, ao procurar porquês, constrói uma reflexão sobre a maldade e discute um tabu: a ambivalência de certas mulheres diante da maternidade e sua influência e responsabilidade na criação de um pequeno monstro. Precisamos falar sobre o Kevin discute casamento e carreira; maternidade e família; sinceridade e alienação. Denuncia o que há de errado com culturas e sociedades contemporâneas que produzem assassinos mirins em série e pitboys. Um thriller psicanalítico no qual não se indaga quem matou, mas o que morreu. Enquanto tenta encontrar respostas para o tradicional “onde foi que eu errei?” a narradora desnuda, assombrada, uma outra interdição atávica: é possível odiarmos nossos filhos?


A vida de Eva Khatchadourian não começou a desmoronar quando seu filho Kevin cometeu uma chacina na escola e sim quando ele nasceu. Após o filho matar 11 pessoas num mesmo dia, Eva finalmente recebe sua confirmação daquilo que sempre suspeitou: Kevin é um garoto mal.
“Mas, desde o momento em que foi posto em meu peito, enxerguei Kevin Khatchadourian como preexistente, alguém com uma vasta vida interior flutuante, cuja sutileza e intensidade diminuiriam com a idade. Acima de tudo, ele me parecia um ser oculto.” (Pág. 141)
Em cartas para o marido Franklin, Eva relata sua situação atual enquanto afunda em memórias da sua própria vida. A mulher relata toda a sua vida sem qualquer medo, desde a infância difícil, a dura decisão de ter e aceitar um filho até a perda daqueles que mais amava. Eva não poupa palavras duras e verdades cruéis, afinal ela não tem mais nada a perder. A mulher não pensa duas vezes ao admitir que chegou a odiar o filho e que desejou que ele nunca tivesse nascido. Ela não tem medo de admitir que teve ciúmes da relação de Kevin com o pai e que foi uma mãe ruim em muitos aspectos. 

“Quando parei de me revirar para pôr o casaco, ele disse: “Você pode enganar os vizinhos, os guardas, Jesus e a sua mãe gagá com essas visitas de mãe boazinha, mas a mim você não engana. Continue com isso, se quer uma estrela dourada. Mas não precisa arrastar a sua bunda até aqui por minha causa.” Depois acrescentou: “Porque eu odeio você.”

(...) Em vez de frases feitas, eu disse no mesmo tom informativo: “ Em geral eu também odeio você, Kevin.”, e me virei para ir embora.” (Pág. 58/59)

Todo mundo já teve seus maus momentos com a mãe, mas nada se compara a relação de Eva e Kevin. Os dois parecem sempre estar competindo, e não só pela a atenção e amor do Franklin, mas pela a atenção e ódio um do outro. Mas, enquanto relembra toda a sua vida, Eva se dá conta de que Kevin é muito parecido com ela, tanto física quanto psicologicamente, e começa a se perguntar se eles realmente se odeiam tanto assim. 
“Eu queria ao menos sentir pena de Kevin, o que já me parecia um começo.” (Pág. 138)
"Precisamos falar sobre o Kevin" é um livro simplesmente incrível. Há muito tempo queria lê-lo e não me decepcionei. A narrativa em forma de cartas ficou perfeita para a trama, os personagens são muito complexos e a história é muito envolvente. 

Kevin Khatchadourian é um dos personagens mais misteriosos, complexos e bem criados que já vi. Dono de um auto controle impressionante e inteligência fora do comum, Kevin intriga e surpreende não só aqueles ao seu redor, mas também o leitor. As dúvidas e suposições de Eva sobre o próprio filho saem do papel e entram na sua cabeça e diversas vezes me perguntei: Qual é a desse garoto? É impossível prever qualquer coisa sobre o Kevin e só nos resta suposições. Mas Kevin definitivamente é um garoto incomum. Seu gosto por vírus de computador e roupas pequenas são só a ponta do iceberg. Mas só porque Kevin é diferente não necessariamente significa que ele mal e essa é a grande questão do livro. Ao narrar todas as peculiaridades do Kevin, o modo como ele parece sempre querer irritar e debochar, Eva parece estar tentando convencer não só o leitor (e seu marido, já que as cartas são endereçadas para ele), mas também a si mesma. Ao relatar e se afirmar uma mãe ruim, Eva planta nas nossas cabeças uma dúvida que permanecerá mesmo depois do fim do livro: Kevin já nasceu mal ou a vida o tornou assim? A resposta para essa pergunta depende muito de quem a dá. Alguns podem afirmar que Kevin é o problema, mas outros podem bater de pé junto que a culpa é toda da Eva e é essa a magia do livro. Em minha opinião, Kevin é definitivamente um garoto diferente e já nasceu assim. Não penso que ele tenha nascido realmente mal, mas com certeza a vida e a guerra inacabável com a sua mãe, contribuiu para que ele cometesse o crime que cometeu. 
“Quando Rose me disse que houvera uma agressão perversa na escola de Kevin e que havia o temor de que alguns alunos tivessem morrido, eu me preocupei com o bem-estar dele. Nem por um segundo imaginei que o criminoso fosse nosso filho.” (Pág. 429)
Eva também é uma personagem complexa, mas diferente do Kevin, ela é um pouco mais real. Como suas dúvidas e sentimentos são completamente expostos é mais fácil entender e até se identificar com a personagem, mas isso não a faz menos interessante. 

A narrativa criada por Shriver definitivamente ficou perfeita, mas mesmo assim a leitura do livro é lenta e um pouco cansativa. A narrativa epistolar (para mim) é sempre cansativa mesmo, mas temos de levar em conta de que o conteúdo do livro é um pouco pesado.

A Intrínseca fez um trabalho maravilho. Não encontrei nenhum erro ou trecho confuso e achei a tradução super bem feita. Gosto muito da capa igual a do filme, mas particularmente prefiro a antiga

"Precisamos falar sobre o Kevin" é aquele tipo de livro que envolve o leitor de uma maneira indescritível e que permanece na sua cabeça por muito tempo depois de ser lido. A trama complexa e completa encanta não só pelo conteúdo, mas também pela capacidade de levar o leitor a refletir. A maldade nasce com as pessoas ou é adquirida com o tempo? Até onde os pais são responsáveis pelos atos de seus filhos? É possível pais e filhos se odiarem completamente? O livro não responde diretamente nenhuma dessas perguntas, na verdade até cria outras na nossa cabeça. Mas sem dúvida as reflexões de Eva, a procura dela por essas repostas, faz com que o leitor reflita e chegue até as próprias respostas. Super recomendo o livro.

O filme de Precisamos falar sobre o Kevin é muito bom e fiel ao livro. Mas é recomendo que leiam o livro antes de ver o filme, se não vai ser difícil entender o longa.

""Você nunca quis me ter, não é mesmo?"
"Eu achava que sim", falei. "E seu pai, ele queria você... desesperadamente."
"Você achava que sim", disse ele. "Depois mudou de ideia."
"Eu achava que precisava de uma mudança. Mas ninguém precisa de uma mudança para pior." (...)
"Alguma vez já lhe ocorreu pensar", disse ele, de um jeito capcioso, "que talvez eu não quisesse ter você?"" (Pág. 73/74)

Comente com o Facebook:

27 comentários:

  1. primeiro: se vc soubesse a vontade que eu tenho de ler este livro, vc não teria feito esta resenha! hahaha
    desde que este livro lançou eu quero ler! e até agora não tive oportunidade :(
    eu não sabia que existia o filme dele! ;o mas com certeza quero ler o livro antes *-*
    e acho essa capa bem mais legal do que aquela outra estranha lá :P

    ResponderExcluir
  2. Oii (:
    Assim como você li o livro antes de assistir ao filme e indico que todos sigam essa ordem, pois é realmente complicado entender o filme sem ter lido antes. Ah, e eu também acho que Kevin já nasceu assim, mas que a vida [ou a mãe] fez com que ele "piorasse" seu humor, digamos assim. Acredito que ele seja um psicopata, o que significa a ele nasceu "defeituoso", mas não significa q ele precise matar 11 pessoas e para mim, é aí que entra a convivência e a criação, rs. Para mim, o livro foi bom, mas em alguns comentos cansativos, e por isso dei 4 estrelas. Achei uma ideia genial do autor, o livro interessante e consegui odiar Kevin várias vezes durante o livro, mas também consegui ter raiva de Eva em outras situações. Adorei sua resenha e vejo que concordamos em muita coisas, haha.
    Beijo!

    Ps: O último trecho que você colocou você já tinha colocado láá em cima, aí como ficou igual resolvi avisar, rs. Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Adorei a sua resenha!!
    Taí um livro que quero muito ler.
    Acabei vendo o filme primeiro e gostei muito, os atores estão ótimos!
    Um filme que realmente mexe com a gente e deixa muitas perguntas.

    Beijinhos
    Renata
    Escuta Essa

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde :)
    Como vai?
    Já me falaram do filme mas é a primeira resenha que leio do livro :O
    Parece ser muito bom *-*
    Vou seguir sua dica e tentar ler o livro primeiro.

    Beijos e tenha uma excelente final de semana
    Cuide-se

    Rimas Do Preto

    ResponderExcluir
  5. Eu já estava curiosa para saber mais sobre a história de Kevin e nas últimas semanas muita gente tem falado do filme e do livro e isso só aumentou minha vontade de ler o livro. Vou deixar o filme para depois, se eu aguentar, mas está difícil! heheh

    ResponderExcluir
  6. Humm eu quero ler o livro e ver o filme, nada como vc ler o livro e depois ver um filme fiel, adoro muito!!
    Este livro parece ser forte, adorei a resenha, Parabéns!!!


    bjs
    http://dailyofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Olá estou com muita vontade de ler o livro, mas sinto compaixão pelo Kevin coitado que mãe ele tem né

    bjos

    ResponderExcluir
  8. Esse livro parece ser muito bom, eu vi o trailer na net e fiquei facinado com as cenas é uma misturas de tudo que eu gosto, incluindo loucura. Passa lá no blog tem post novo.
    criaturas-sombrias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Esse é um livro que não tenho muita curiosidade pra ler. Acho que é por causa da capa que não me chama atenção... Mas lendo a resenha e sabendo que o livro é envolvente, fiquei até curiosa agora. Tb não vi o filme e nem pretendo enquanto não ler o livro.

    Bjokas
    Flavia - Livros e Chocolate

    ResponderExcluir
  10. Eu não imaginava um livro tão forte, mas pelo que percebi é muito inteligente. Aprecio muito quando o escritor consegue nos fazer refletir e repensar sobre a vida, as questões que você levantou são parte da nossa vida, e desta forma o livro conquista e envolve o leitor.
    Adorei a resenha, perfeita.


    Bjos!!
    Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  11. Não li o livro ainda, mas em breve estarei vendo o filme, deveria ser ao contrário, mas sou bem diferente, rs.
    http://leituramagnifica.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Ai to louca para ler esse livro,esperando uma promoção boa para comprar mas tá difícil.
    Mas já matei um pouco da curiosidade na resenha muito boa,o filme não assisti ainda não,quero ler 1°.
    Uma dica super bacana,abração.
    Alexandra
    http://magiasbook.blogspot.com.br/2012/09/resenha-como-se-livrar-de-um-vampiro.html#comment-form

    ResponderExcluir
  13. Eu sempre quis ler muito esse livro e também assistir ao filme, foi indicação de um amigo e agora sua indicação.

    http://enfimshakespeare.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Ficar querendo ler esse livro nesse exato momento, era tudo que menos eu precisava. Muito muito boa resenha! E preciso comprar esse livro logo.

    ResponderExcluir
  15. Sempre quis ler esse livro, mais como eu sou muito curioso, tive que assistir o filme primeiro e agora vai ficar meio sem graça ler o livro.
    Bjos.

    ResponderExcluir
  16. Uau que resenha incrível! Tenho o filme aqui em casa e de vez em quando me pego olhando para ele e fico na dúvida: Assisto o filme primeiro ou leio o livro primeiro?
    Minha dúvida se foi rsrs vou ler o livro primeiro (também prefiro a capa antiga, raramente eu gosto de livros com capa de filmes), sabe sua resenha passa toda uma sensação do livro... adorei ter lido ela e já vou pegar o meu "Precisamos falar sobre Kevin" e colocá-lo na pilha de leitura para outubro =)
    ^^

    ResponderExcluir
  17. Oi..

    Gostei muito da sua resenha apesar de não ter gostado muito desse livro, pois, ele não faz muito o meu gênero de que gosto e sou acostumada a ler..

    ResponderExcluir
  18. Parece m livro extremamente instigante,cheio de mistério e ação,parece muito com meu estilo,apesar de nunca ter ouvido falar dele,parece um bom lvro

    ResponderExcluir
  19. Nossa eu quero muito ler este livro !!!
    Eu nem assisti o filme ainda so pra mim ler primeiro e depois assistir !!!

    ResponderExcluir
  20. Não li o livro, mas AMEI o filme. Tenho certeza de que a obra original é muito superior e mais rica em detalhes.
    Terminei de ver o filme com uma sensação estranha demais, e espero ter a mesma experiência ao ler o livro.
    bjs

    ResponderExcluir
  21. nunca tinha ouvido fala desse livro depois dessa resenha fiquei
    com muito interesse le ler ele...

    ResponderExcluir
  22. Adorei a resenha! Cada vez que leio sobre esse livro, aumenta 3238082 vezes minha vontade de lê-lo. Parece ótimo :}

    ResponderExcluir
  23. Ainda quero ler esse livro. Muito legal essa história, gostei das resenhas que vi dele. Bem bom.

    ResponderExcluir
  24. Minha flor, achei excelente o livro e também tua resenha. E a citei na minha.

    Só discordamos em um ponto. Eu realmente não conseguia me surpreender com o mal em Kevin. Eu estava como Eva, na maior parte do tempo, sempre pressupunha o pior.

    http://liliescreve.blogspot.com.br/2013/04/resenha-precisamos-mesmo-falar-sobre.html

    ResponderExcluir
  25. Primeira pessoa que eu leio falar bem da capa do filme no livro haha :)

    ResponderExcluir

Sinta-se a vontade para expressar a sua opinião, para divulgar o seu site/blog ou para elogiar ou criticar o blog! Lembrando que comentários com conteúdos agressivos, ofensivos ou inadequados serão excluídos.

(Você também pode entrar em contato comigo por e-mail, formulário ou pelas redes sociais. Saiba mais na página "Contato".)